Sábado, 19 DE Junho 2010

Derrotados na primeira jornada, Camarões e Dinamarca sabendo de antemão do resultado do Holanda 1-0 Japão, só podiam pensar na vitória para não começarem a fazer as malas mais cedo. Assim talvez se explique as constantes falhas defensivas durante quase todo o jogo, ou então, deliberadamente os treinadores decidiram apostar tudo na velha máxima "marcar mais que sofrer" garante os 3 pontos.

O jogo começou muito mal para a Dinamarca, principalmente porque foi num erro defensivo, uma troca de bola entre os mais atrasados elementos na sua defensiva, que nasceu o primeiro golo dos Camarões. Eto'o recebeu no centro da área a bola e com toda a calma do mundo inaugurou o marcador. Não foram precisos mais que 2 minutos para Emana, a par do goleador Eto'o os melhores em campo dos Camarões, para que mais um remate assustasse o guardião Sorensen. A Dinamarca até praticamente meio da primeira parte estava irreconhecível, não se via o futebol que os levou ao primeiro lugar do grupo na qualificação para o mundial, onde se encontrava Portugal. A recuperação dinamarquesa tardava a aparecer, mas tudo começou por alterar-se com o jogo dos nórdicos a passar muito pelo flanco direito, os Camarões a não reagirem, e num dos lances Rommedahl, melhor em campo, assiste Bendtner para o golo do empate aos 33 minutos.

Os últimos 10 minutos da primeira parte foram verdadeiramente vibrantes, com situações de perigo que poderiam ter accionado o marcador. Tomasson aos 41 minutos a falhar isolado em frente a Souleymanou, e na resposta Eto'o após novo erro defensivo da Dinamarca, a atirar a jabulani ao poste. O intervalo chegou com o resultado empatado, justiça no marcador.

A segunda parte não teve um início fulgurante como o final da primeira, mas aos 61 minutos, Bendtner, após assistência de Rommedahl, marcou um golo quase perfeito e selou a remontada no marcador, a segunda este mundial (a primeira foi a da Grécia diante da Nigéria). A Dinamarca estava lançada para discutir a passagem à fase seguinte com Holanda e Japão, Paul Le Guen via a sua selecção em caminhos muito sinuosos. Minutos depois Rommedahl volta a falhar novo golo, que teria sido o do descanso. A partir desse momento, a Dinamarca cedeu o jogo aos Camarões que foram em busca do golo do empate, do balão de oxigénio que lhes permitiria continuar a respirar na África do Sul. Emana aos 77 minutos esteve perto do empate, Idrissou aos 84 também tentou, mas estava escrito que a Dinamarca já não perdia este jogo.

Vitória justa da Dinamarca que alimenta o sonho da qualificação para os oitavos de final, os Camarões que são a única equipa que ainda não pontuou este mundial estão prontos a regressar a casa. Holanda carimba passaporte para os oitavos e é a primeira selecção a garanti-lo!

publicado por Pedro Varela às 21:56

Jogo muito agradável de seguir nesta tarde de sábado. A Austrália entrou melhor e aos 11' chegou à vantagem com um golo de Brett Holman após mais uma defesa incompleta neste Mundial. A primeira metade desta etapa inicial foi toda dos amarelos que surpreenderam depois da má imagem deixada na estreia. Só que aos 25' o jogo ficou virado do avesso. Numa jogada de insistência na área que acabou com um remate de Mensah que só não deu golo porque Kewell defendeu com o braço em cima da linha do golo. Expulsão (mais uma) para a Austrália e penalti (mais um) para o Gana. Gyan aproveitou e repetiu o golo da mesma maneira que já tinha feito contra a Sérvia.

Pareceu que a partir daqui só ia dar Gana. E deu. Mas sem alterações no marcador até ao intervalo.

Na 2ª parte esperava-se que o dominio africano se traduzisse numa vitória folgada e viu-se um futebol atacante bonito do Gana. Mas a verdade é que os ganeses não fazem golos sem ser de penalti! O veterano guardião Schwarzer foi segurando o empate em grande estilo e os australianos começaram a acreditar que mesmo com um homem a menos podiam chegar à vitória tornando o jogo bem aberto com oportunidades nas duas balizas. Os últimos 15 minutos de jogo foram bem animados sendo de elogiar o coração dos "cangurus".

O empate não se desfez e assim o Gana é a primeira equipa africana a comandar um grupo deixando as contas deste grupo bem baralhadas para a última jornada onde os favoritos  alemães vão ter de suar para conseguir o apuramento.

 

Melhor em Campo: 1 Mark SCHWARZER

 

publicado por J.G. às 17:36

Os ingleses exercitaram o seu direito à indignação assobiando os escolhidos de Capello. E foram bem audíveis ontem, especialmente nos últimos vinte minutos de jogo em que o arsenal de vuvuzelas foi impotente perante a força da vaia. Tinham razão os adeptos, a exibição foi miserável mas Wayne Rooney não calou a sua revolta.

publicado por Spinafro às 16:47

 

 

Vida difícil para a Holanda no embate entre líderes do grupo. Bem posicionado e organizado defensivamente, o Japão cedeu a bola e fechou  bem os espaços, limitando toda a organização laranja. As estatísticas dizem-nos que a formação nipónica teve pouco mais de um terço da bola, mas até ganhou mais um canto que o adversário e tentou o remate por mais vezes. Sneijder exemplificou as dificuldades por que passou a Holanda,  incapaz de pegar no jogo e com uma percentagem de passe inferior ao habitual. Frente à Dinamarca até errou mais um passe que hoje, mas também o tentara em mais 29 ocasiões.

O jogo acabou por valer pelos minutos iniciais e finais do segundo tempo. As ordens de Bert van Marwijk ao intervalo terão surtido efeito, já que a Orange regressou mais acutilante, com a linha defensiva mais subida e uma mobilidade ofensiva até então inexistente. Van Persie ameaçou duas vezes e Sneijder abriu o marcador. Um remate forte, à sua imagem, mas com grandes responsabilidade para o guarda-redes nipónico.

A Holanda abrandou então o ritmo, com Van Bommel a assumir o comando, e o Japão foi respondendo preferencialmente pelo seu lado esquerdo, procurando o golo, sempre por Okubo, através da meia-distância. O jogo prosseguiu morno e ganhou vida inesperada na ponta final. O perdulário Afellay teve duas oportunidades soberanas mas permitiu que Kawashima se redimisse. E ao cair do pano, Ojasaki quase empatava a partida.

Praticamente apurada, a Holanda tarda em demonstrar futebol consentâneo com a sua tradição. Talvez a fase do mata-mata nos traga o futebol de ataque que apaixona tanta gente, mas neste momento é difícil acreditar na potencialidade desta selecção. A ausência de Robben explicará tudo?

 

HOMEM DO JOGO: 6 Mark VAN BOMMEL

 

 

 

publicado por N.T. às 14:55
Será que os "homens de cristal" Robben e Nakamura irão dar um ar de sua graça hoje? E o Prince ganês irá ser capaz de não ser iludido pelo aprendiz de feiticeiro Kewell? Já agora, quem irá alimentar o leão Eto'o e o viking Brendtner? Eis algumas questões para os embates do dia.
Holanda x Japão, Grupo E, Estádio de Durban, sábado 19 de junho, 12h30 (hora portuguesa)
Sábado, a tarde de mundial começa com um jogo que tem tudo para ser um bom espectáculo. Ambas as equipas jogam para garantirem a qualificação, pois estão apenas a 3 pontos da próxima fase. Por outro lado, é engraçado verificar que ambas as equipas não tiveram os seus melhores jogadores disponíveis no primeiro jogo. São eles o #10 japonês Nakamura e o #11 holandês Robben. Ambos a virem de lesões estão agora disponíveis para os seus treinadores, que concerteza irão utilizá-los. Será que serão titulares? Muito provavelmente o serão pelo peso que representam dentro de grupo, sobretudo do lado japonês.
Questões tácticas:
Outras questões tem haver com a estratégia de jogo de cada uma das equipas. Será que irá haver grandes mudanças tácticas? Do lado nipónico a filosofia de jogo está lançada e o 4-5-1 tem tido sucesso. Com ou sem Nakamura é esse o caminho a seguir. Já quanto à laranja mecânica, esta esteve bastante perra no jogo frente aos vikings dinamarqueses. O 4-2-3-1 (4-3-3) com van der Vaart como falso extremo esquerdo e o van Persie a avançado centro, que foram dos mais criticados, não funcionou. Com Robben recuperado, um deles poderá cair fora. Se sim, quem? Por outro lado, até poderá não sair nenhum deles, mas sim alguém no meio-campo mais defensivo (De Jong?). Nessa situação, será que van der Vaart e Sneijder conseguiram coabitar no mesmo onze? E para quando uma aposta em caçar golos com Hunterlaar? Convenhamos que são boas dores de cabeça aquelas que o seleccionador holandês tem. Sempre é melhor ter várias soluções do que apenas uma, não é? (Às vezes não é bem assim, ter muito até atrapalha...)
Jogadores em destaque:
- Japão: Honda (pés de lã, sem ser muito rápido compensa com um posicionamento exemplar e uma técnica no um para um bastante boa), Nakamura (o "10" da selecção nipónica, é ele que temporiza o jogo da equipa) e o capitão Hasebe (se o Túlio poderá ser o samurai da equipa, Hasebe não fica claramente atrás, uma formiga incansável naquele meio-campo que colocou Inamoto no banco).
- Holanda: Robben (simplesmente o homem de cristal), Sneijder (o "10" holandês, por ele passa todo o jogo ofensivo da equipa) e Elia (a quem penso que será uma das revelações deste mundial e estou curioso para vê-lo a lidar com falta de espaço para pôr a bola e correr...).
Prognóstico:
Dependerá dos primeiros 25 minutos e da forma como a Holanda consegue entrar no jogo. Se entrar como fez frente à Dinamarca, poderá sofrer algum dissabor, até porque a sua defesa não é muito segura. Então se Nakamura estiver em campo... Por outro lado, se Robben jogar, não gostaria de estar na pele de Komano ou de Nagatomo (os laterais nipónicos). Mesmo assim, com estes prós e contras, penso que a Holanda sairá vencedora deste encontro e se tudo correr bem, poderá aliar a uma boa exibição finalmente. E para vocês, qual é o vosso prognóstico?
Gana x Austrália, Grupo D, Estádio Royal Bafokeng, sábado 19 de junho, 15h00 (hora portuguesa)
Às 15h, joga-se um importante encontro do grupo D. Se no encontro anterior havia semelhança de performance das duas equipas, neste não poderiam ser mais opostas. Ghana apenas precisa de mais uma vitória para prosseguir com o sonho de muitos africanos, ou seja, ter uma equipa deste continente nas eliminatórias deste mundial. Por seu turno, Austrália precisa mesmo de uma vitória se é que pretende ficar mais tempo na África do Sul. Sem o seu melhor jogador, Tim Cahill, expulso na goleada sofrida da Alemanha, o cenário não se antevê favorável para os "socceroos" que resta apelar ao talento do "Harry Potter" Kewell, da raça de "Bresciano" e das mãos do seu guarda-redes Schwarzer. Veremos é se Appiah, Muntari, Asamoah, Gyan e o jovem Ayew, estarão pelos ajustes.
Questões tácticas:
Será que a Austrália manterá o mesmo esquema defensivo com que abordou o jogo frente à formação germânica? Eu penso que não! É certo que a ausência de Cahill é um rude revés para este encontro. No entanto, Breciano, Kewell e o Emerton, poderão de certa forma substituir a ausência do capitão australiano. Prevejo um abandono do 4-5-1, para um 4-2-3-1. Que tal colocar um ponta-de-lança de raíz seleccionador australiano?
Do lado Ganês, irei usar o velho ditado futebolístico: "em equipa que ganha não se mexe". Ora vem mesmo a propósito. Penso que o seleccionador sérvio ao serviço desta selecção tem sido dos mais inteligentes no banco, tendo soluções de bolso para quase todas as posições no presente 4-2-3-1 da equipa. Questiono se tal será suficiente se se ver em desvantagem durante o encontro.
Jogadores em destaque:
- Gana: Gyan (muita energia, velocidade, mas pouca eficácia na conclusão), Asamoah (pé esquerdo fabuloso e dos melhores "10" africanos), Prince (grande revelação no meio-campo a colocar tanto Appiah como Muntari fora do onze titular) e Ayew (miúdo com muito futuro, mas que precisa de ser mais objectivo na forma como joga).
- Austrália: Schwarzer (mais do que ninguém deve querer vingar o saco de bolas que levou para casa no último encontro, pois é a meu ver um dos melhores guarda-redes do mundo), Emerton (o todo-o-terreno da ala direita australiana), Bresciano (mistura de raça e físico britânico/australiano com a técnica, mentalidade e posicionamento italiano) e Kewell (o mágico australiano a quem muitos depositam grandes esperanças para este mundial).
Prognóstico:
À partida, o Gana tem vantagem neste encontro. Tem a vantagem mental, porque vem moralizada de uma vitória frente a uma poderosa selecção que acabou de vencer a poderosíssima Alemanha. Tem a vantagem técnica. Tem a vantagem táctica, pois poderá jogar em contra-ataque como tanto gosta, uma vez que muito provavelmente será a Austrália em busca do golo que lhe dê os 3 pontos. Tem a vantagem física. Muito embora os australianos sejam uns calmeirões estes estão em má forma, pelo que apercebi-me do jogo frente aos alemães. Tem a vantagem de jogar em "casa" o que é sempre um importante contributo. O que poderá correr mal? O mesmo que aconteceu com a selecção da Nigéria, ou seja, ter uma Austrália completamente transcendente do último encontro e ter jogadores com a cabeça noutro lugar. Esta mistura poderá ser muito perigosa. Penso que é a principal preocupação do seleccionador ganês. Por tudo isto, antevejo um bom encontro. Nem sempre será bem disputado, pois a técnica não é a melhor e o físico fará vítimas. Contudo, emoção deveremos ter até ao fim. Qual o vosso prognóstico?
Camarões x Dinamarca, Grupo E, Estádio Loftus Versfeld, sábado 19 de junho, 19h30 (hora portuguesa)
Fim de tarde em Portugal, noite em Pretória, Camarões e Dinamarca defrontam-se num encontro entre dois derrotados da primeira ronda. Num encontro em que a derrota e o empate são maus resultados, quem sairá vencedor? Duas equipas que não lidam bem quando estão em desvantagem, talvez por o jogo ofensivo não estar tão bem entrosado/treinado, poderão proporcionar um espectáculo muito curioso. Eto'o contra Brendtner, será um duelo de dois goleadores, dois estilos opostos de fazer golos. Um mais felino, outro mais frio. Quem souber melhor alimentar estes dois "animais de área" estarão mais próximos da vitória.
Questões tácticas:
O 4-3-3 de Paul Le Guen tem sido um desastre. A equipa não joga bem. Os jogadores sentem-se perdidos. O seu melhor jogador parece um jogador banal. O público assobia e a equipa desmotiva-se. Alguém tem de parar com esta bola de neve negativa. Esse alguém é o francês ao serviço dos Camarões. Será que a culpa é do esquema táctico? Será que são os atletas? Será que é a metodologia de treino? Será porque pretende-se "copiar" o que Eto'o faz no Inter? São várias as questões que penso que devem ser resolvidas neste encontro. Eu por mim, tentaria apostar num 4-1-2-1-2, com Eto'o e Webo lá na frente, servidos por Emana (grande exibição frente ao Japão). É que os Camarões para funcionarem em 4-3-3 têm de ter extremos como o Eto'o tinha no Barcelona...
Mas, não é só os Camarões que andam a jogar mal. A própria Dinamarca também não anda a jogar bem. Frente à Holanda, só um ou outro contra-ataque funcionou na primeira parte. O 4-2-3-1 típico dinamarquês não está a funcionar. O duo de meio-campo em vez de simplificar complica imenso o jogo. O "10" que tem ADN de extremo, escrevo de Rommedahl, não consegue fazer a ponte com Brendtner, acabando por dar mais um toque quando poderia, mais uma vez, simplificar. Vê-se que têm ideias sobre como atacar, mas os tempos de passe e desmarcação estão uma lástima. Precisa de afinação. Será que o "velhinho" Tomasson será a solução indicada? E que tal inverter o triângulo de meio-campo colocando um médio defensivo e libertando o Kahlemberg para aquilo que ele mais gosta, ou seja, construção do jogo ofensivo?
Jogadores em destaque:
- Camarões: Eto'o (um dos avançados mais completos do mundo e o mais felino à frente da baliza), Webo (mais outro grande avançado camaronês, exímio de cabeça, pode ser a muleta perfeita para Eto'o explodir neste mundial), Emana (realmente emana classe dos seus pés, terá que apenas saber escolher melhor o tempo em que deve soltar a bola) e Mbia (lateral com corpo de central e velocidade de TGV, tem sido dos mais esclaredidos).
- Dinamarca: Kjaer (este miúdo nem parece ser um central, nem tão pouco dinamarquês, com a bola nos pés, apenas quando a câmara faz "zoom-out" é que verificamos o tamanho deste "minino", grande futuro!), Agger (dou muita importância a centrais canhotos, sobretudo pela forma como possibilitam outro tipo de saídas de bola, o que escrevi do Kjaer posso escrever do Agger, mas este como muito mais maturidade), Rohmmedahl (claramente a sua posição é na linha, quer seja direita ou à esquerda deverá ser sempre o ajudante de serviço a Brendtner) e Brendtner (o possante ponta-de-lança dinamarquês tem grande futuro, sobretudo se melhorar o seu jogo de costas para a baliza).
Prognóstico:
Penso que no meio de tanta inoperância atacante o resultado mais provável será o empate sem golos. Mas, o que eu desejava era um empate com muitos golos, um pouco como o que sucedeu no encontro entre a Eslovénia e os EUA. De qualquer maneira, dou vantagem aos dinamarqueses pois pareceram-me mais esclarecidos e com um plano de jogo mais assimilado que os camaroneses. E o vosso prognóstico, qual é?
P.P.
publicado por jabulani às 11:43
tags:
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
fantasy league jabulani
fantasy league jabulani (clica na imagem)

Jabulani Fantasy League

Código - 361892-84570

arquivos
2010
subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
Jabulani Blog

Divulga também a tua página
últ. comentários
o craque do jogo foi o cavani
Olá pessoal! Estou aqui para trazer a vocês a gran...
Olá pessoal! Estou aqui para trazer a vocês a gran...
Olá pessoal! Estou aqui para trazer a vocês a gran...
Agora que o Mundial de futebol terminou, importa r...
Não sendo propriamente um criativo de futebol, que...
Sr. Gonçalo Sousa, você não foi para aqui chamado....
Se vais pelo número de jogos não podes por o Coent...
Isto é incrível.Qualquer merda hoje em dia tem um ...
Calça meia grossa, Ribeiro
Posts mais comentados
blogs SAPO