Domingo, 11 DE Julho 2010

 

 

"À terceira é de vez", diriam os holandeses mais optimistas, sentimento justificado por não verem a sua selecção perder um jogo oficial desde a eliminação do Euro'08. Mas se a Oranje conseguiu anular a Espanha em alguns períodos, raramente se conseguiu superiorizar . A esta geração, menos exuberante, coube o mesmo destino que o da famosa Laranja Mecânica.

As próximas semanas serão dolorosas para todos, mas em particular para Robben, o homem que poderia ter sido herói e acaba sob o risco, injusto, de vir a ser considerado o vilão. O esquerdino teve duas oportunidades para marcar na segunda parte, a primeira delas flagrante e que seguramente terá colocado um País a gritar um golo que não se materializou. Mas não foi por ali que o jogo se definiu.

A Holanda entrou com o 11 que logo fora alinhado na numeração das camisolas e com a ambição de anular o futebol espanhol na primeira fase de construção. Não correu o risco, desnecessário, de pressionar a zona defensiva, mas tentou, fixando o quarteto mais avançado no meio-campo adversário, condicionar ao máximo a actuação de Busquets, Xavi e Xabi, enquanto Iniesta era marcado individualmente na outra metade do terreno. A opção era lógica e surtiu algum efeito. Mas destapou as laterais e após uma bola parada que forçou Stekelenburg a exibir os seus dotes aos 5 minutos, a Holanda passou por alguns calafrios.

As acções defensivas de De Jong e Van Bommel, aliadas ao jogo duro da generalidade dos holandeses, re-equilibrou a contenda, mas o médio do Bayern nunca conseguiu dar apoio ofensivo a Sneijder, hoje com dificuldade em pegar no jogo. Kuyit raramente apareceu e todo o jogo ofensivo ficou sobre as costas de Robben. O extremo bem tentou, ainda obrigou Casillas a uma boa defesa à beira do intervalo, mas sozinho não poderia garantir o sucesso.

A acumular cartões em excesso, a Holanda entrou mal na segunda parte. Incapaz de assegurar a posse de bola, ainda viu Robben repetir o movimento com que encerrara a primeira parte. Mas o acerto defensivo desvanecia-se com o passar dos minutos e as preocupações individuais abriram o corredor direito a Villa e companhia. Adensava-se o perigo junto da baliza de Stekelenburg enquanto Robben remava contra a corrente. Só ele obrigava Casillas a manter a atenção sobre o jogo. E quando os treinadores começaram a trocar de médios, procurando maior propensão ofensiva, a Holanda ficou definitivamente fora de jogo.

No prolongamento já não houve pernas holandesas para contrariar a pressão crescente que a Espanha impunha. A expulsão só veio dar razão a quem olhava a para a tv e já não acreditava nas grandes penalidades. Caiu de pé a Holanda, mas ficará sempre a ideia de que poderiam ter feito mais. Muito mais.

publicado por N.T. às 23:26
tags: ,
Julho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
fantasy league jabulani
fantasy league jabulani (clica na imagem)

Jabulani Fantasy League

Código - 361892-84570

arquivos
2010
pesquisar neste blog
 
Jabulani Blog

Divulga também a tua página
últ. comentários
o craque do jogo foi o cavani
Olá pessoal! Estou aqui para trazer a vocês a gran...
Olá pessoal! Estou aqui para trazer a vocês a gran...
Olá pessoal! Estou aqui para trazer a vocês a gran...
Agora que o Mundial de futebol terminou, importa r...
Não sendo propriamente um criativo de futebol, que...
Sr. Gonçalo Sousa, você não foi para aqui chamado....
Se vais pelo número de jogos não podes por o Coent...
Isto é incrível.Qualquer merda hoje em dia tem um ...
Calça meia grossa, Ribeiro
Posts mais comentados
blogs SAPO