Quinta-feira, 24 DE Junho 2010

O Japão prometeu contra os Camarões mas desiludiu contra a Holanda. Assim era de esperar que a Dinamarca conseguisse impôr o seu futebol europeu garantindo o apuramento dando continuidade à reviravolta que conseguiu contra Camarões.

Mas este jogo mostrou-nos uma realidade diferente e agora percebe-se que o apuramento da Coreia do Sul não terá sido acto isolado. Os asiáticos apresentaram excelentes argumentos para selar a sua passagem aos 1/8 de final. Quem esperava uma Dinamarca dominadora em buscar do golo e o Japão mais na expectativa enganou-se porque os nipónicos jogaram muito bem. Muito seguros a defender e muito bem a atacarem com destaque para a mobilidade do extravagante Honda que está a caminho do Liverpool.

A Dinamarca nem esteve perto de marcar mas o Japão não se fez de rogado. Livre directo para Keisuke Honda aos 17' que mostra que domina tanto a Jabulani quanto Sorensen a despreza. Um golo que servia para soar o alarme dinamarquês que tinha de repetir a remontada do jogo anterior para sobreviver.

Mas em vez de um ataque viking desenfreado tivemos o famoso auto controle nipónico que friamente repetiu a dose. Endo imitou Honda e atirou com muita classe para o seu lado direito fazendo a bola passar pela barreira só parando na baliza. Desta vez Sorensen não fica tão mal no quadro. Em meia hora o Japão concretizou em dois golos o seu futebol superior e a equipa que venceu o nosso grupo de qualificação ficou completamente desnorteada.

Esperava-se reacção vermelha na 2ª parte mas o desacerto dos dinamarqueses na hora de finalizar era assustadora. O melhor exemplo deu Tomasson que precisou de uma recarga para aproveitar um penalti! Este golo já apareceu demasiado tarde para a Dinamarca. E se dúvidas existiam Okazaki resolveu acabar com elas ao apontar o 3-1 depois de um magnifico trabalho de Honda.

Muito agradável esta surpresa japonesa que vamos ver até onde vai. A Dinamarca falha um apuramento em fases de grupo no Mundial pela primeira vez e é uma das decepções da prova.

 

Melho em Campo: Keisuke HONDA

publicado por J.G. às 23:20

 

 

Este era um embate sem história. Os Camarões, já eliminados, limitavam-se a jogar o seu orgulho. Aos holandeses um empate era mais que suficiente para assegurar o primeiro lugar do grupo. Mas se muitos seleccionadores aproveitaram a terceira ronda para descansar titulares e testar outras opções, Bert van Marwijk limitou-se a resguardar o amarelado Van der Wiel, conservando os restantes 10 titulares neste Mundial por forma a aperfeiçoar o entrosamento da equipa. O regresso de Robben, que entrou na ponta final da partida, acabou por constituir o principal foco de interesse.

Os Camarões foram os primeiros a ameaçar, mas é difícil conservar o ânimo nestas circunstâncias e faltou capacidade para dar continuidade a esse momento. A Oranje assumiu as rédeas, mas sem forçar o ritmo as oportunidades não surgiam. O jogo continuou em registo banho-maria até ao quarto-de-hora final, quando Van Persie abriu o marcador após excelente entendimento entre o trio atacante. Mas o jogo continuaria lento e desmotivante para os espectadores. A segunda parte começou de forma oposta. Se foi um holandês, no caso Van Persie, a criar a primeira oportunidade de perigo, reagiram bem os Camarões, finalmente a equilibrar a contenda. O árbitro acabou por dar uma mãozinha para que Eto'o igualasse da marca dos 11 metros e os Camarões acreditassem na possibilidade da vitória. Não durou muito.

A entrada de Robben agitou o jogo, como agitará de futuro o futebol holandês. Garantida a organização e equilíbrio da Oranje, será o extremo a levar o futebol holandês para outra dimensão. E foi de uma iniciativa sua que nasceu o golo da vitória, uma bomba ao poste que foi caprichosamente ter com Huntelaar. Aí bastou tocar para a baliza deserta.

A Holanda defrontará agora a Eslováquia, garantia que mais uma equipa europeia seguirá para casa nestes oitavos-de-final. Os Camarões são mais uma, talvez a principal, desilusão africana.

 

HOMEM DO JOGO: 6 Mark VAN BOMMEL

 

publicado por N.T. às 22:15

"A selecção italiana foi afastada na fase de grupos do Mundial de Futebol". A última vez que esta notícia foi divulgada corria o ano de 1974 e nem o golo tardio de Fabio Capello impediu a Itália de capitular na Alemanha ante a Polónia e determinar um desfecho que hoje se repetiu. Poderia ser a 237ªparte de um filme usual protagonizado pelos tetra campeões mundiais mas desta vez só sobrou o desespero.

Como já havia sucedido nos dois jogos anteriores, a squadra azzurra começou sem alma numa estrutura desenhada para conter mais que para rasgar. É que sem Pirlo nem extremos de ir à linha, aos italianos demonstraram sempre um défice de criatividade, elemento essencial para abanar a defensiva eslovaca. A linha mais recuada dos eslavos demonstrava segurança quando submetida a provações mas, verdade seja dita, os de Lippi pouco ou nada incomodaram. E foi assim por longos 80 minutos, acredite-se ou não. E o leitor experimentado na Itália das grandes competições, não duvidará. Quanto aos opositores, não se sentia uma Eslováquia amedrontada mas concentrada, tacticamente adulta e confiante nos pés e cabeça de Vittek. Tem sido um desilusão ver o napolitano e capitão Hamsik mas os eslovacos mostraram ter outras valias individuais nos diversos sectores que a juntar aos nome aqui mencionados, destacaria Skrtel e Kucka. Que mais lhes exigir, levavam a água ao seu moinho e impediam os italianos de os submeter a apertos. Mas repito, não que os transalpinos estivessem a fazer por isso. Não espantou, portanto, que ao intervalo os eslavos levassem a vantagem mínima para os balneários - o De Rossi ainda deve estar com as orelhas a arder.

No reatar, o regresso de Pirlo aos relvados e o calcio passou a futebol de passes curtos e médios, os extremos (podemos tentar chamar-lhes extremos) passaram a ter outra preponderância. Já havia maestro e a banda ia tentando seguir-lhe a batuta. Mas o eslovacos não dormiam, aproveitaram uma bola parada e Vittek bisou. Quem salva a Itália? Em poucos minutos era toda uma equipa desfigurada, voluntariosa com a cabeça e coração na baliza eslovaca. Pediam-se candidatos e Quagliarella deu o peito às balas. Primeiro num remate que espirrou para Di Natale e deu golo, logo em seguida um golo anulado por um offside que não me convenceu. Estavam em altíssima rotação italianos e a obra d'arte de Quagliarella poderia ser o final épico que muitos aguardavam não fosse existir também uma equipa matreira que em contra-ataque trucidou tudo o que o senso comum foi construindo - desta vez os italianos foram mesmo para casa mais cedo.

A Itália foi eliminada porque praticou um futebol rasca, desmotivado e sem energia. Vão em frente os eslovacos, os tais pretensos parentes pobres da grande Checoslováquia que na sua primeira aparição neste palco assinaram um feito notável.

Melhor em Campo: 11 Robert VITTEK

publicado por Spinafro às 17:41

Em África mandam os sul americanos! O paraguai em posição priveligiada para ser apurado fez descansar alguns titulares, Cardozo hoje foi titular, e jogou em velocidade reduzida. Mesmo assim chegou e sobrou para segurar o empate perante a Nova Zelândia que hoje jogou com as cores mais conhecidos do seu popular rugby. Os All Blacks não mostraram inspiração e embora tenham tentado rematar nem conseguiram acertar na baliza.

No outro jogo do grupo fazia-se história numa partida épica e ninguém aqui quis distrair quem estava a seguir a derrocada italiana, por isso tivemos um dos desafios mais desinteressantes deste Mundial.

Sem grande história para contra destaque-se o facto da Nova Zelândia sair da África do Sul invicta! Faltou-lhes uma vitória para irem mais longe o que já seria exigir demais a esta simpática mas limitada equipa.

O Paraguai vence assim um grupo que à partida tinha como favorito a Itália e agora tudo é possível nos jogos do mata-mata.

Aqui não houve surpresas, as emoções ficaram todas reservadas para o outro jogo do grupo.

 

Melhor em Campo: 4 Denis CANIZA

publicado por J.G. às 17:15

 

Quem é que passa à fase do "mata-mata" nos grupos E e F? Esta é a questão que o dia 14 do mundial vai responder. Até lá, quais os vossos prognósticos?
Confronto de gigantes! (Paraguai - Nova Zelândia; 15:00, Estádio Peter Mokaba)

Paraguai Paraguai Nova Zelândia Nova Zelândia
Podem achar irónico, mas o tamanho dos avançados em jogo não desmentem: é um confronto literalmente de "gigantes"!
De um lado os "all white" com Fallon e companhia, são quanto a mim, conforme já tive oportunidade de escrever, das melhores equipas a jogar de cabeça no ataque. Em termos tácticos, já toda a gente sabe as carências da turma da oceania. Uma delas é a falta de qualidade técnica em muitos jogadores, mas quando comparados com outras grandes selecções. Contudo, e aqui está a arte e beleza deste desporto, não só compensam em esforço, dedicação, devolução (aonde ouvi isto...) e simplicidade de processos. São dos jogadores que mais procuram um companheiro a quem passar a bola durante os encontros. Se adicionarmos a isso uma capacidade de leitura, podemos ter a certeza que se lhe derem a oportunidade, os neozelandeses irão concerteza aproveitar, pois não são uma selecção que joga 90 minutos à defesa. Espreitam sempre o ataque e até são bastante construtivos. Ah! E quem diria que a Nova Zelândia conseguia chegar ao último jogo totalmente dependente de si para seguir em frente na competição?
Quanto ao Paraguai, conhecida por ser uma das, senão a melhor, defesa sul-americana, está a cumprir com o plano. Sinceramente, não tenho gostado lá muito das suas exibições. O seu seleccionador, tem adaptado demasiado a sua equipa para com os adversários, protegendo em demasia (acho eu!) em termos defensivos. A táctica vocês já a sabem: o tradicional 4-4-2. Sou daqueles que já vi este Paraguai a jogar de forma livre e desinibida (e com o saudoso Cabañas) subjulgar a Argentina de Maradona. Por saber que eles têm todo esse potencial é que pergunto: para quando uma exibição personalizada e auto-confiante de todo o seu potencial? Já agora, estou curioso por saber se Santa Cruz e Cardozo irão jogar de início... é que os neozelandes são uns calmeirãos na defesa...
Prognóstico da "Jabu": eu gosto deste tipo de selecções "underdogs" como é o caso da Nova Zelândia, mas também gosto imenso do Paraguai. Sinceramente, que ganhe a melhor selecção em campo. Mas, aviso que o que poderá fazer a diferença não será tanto o físico ou a técnica de ambas as equipas, mas sim a "manha" sul-americana. Vai uma aposta? Espero, sinceramente, que não seja esse o factor que desiquilibrará.
Será que vai haver surpresa? (Eslováquia - Iália; 15:00; Estádio Ellis Park)

Eslováquia Eslováquia Itália Itália
Não sei porquê, mas penso que este jogo poderá ser surpreendente para o mundo futebolístico.
A Eslováquia, para poder classificar-se precisa de vencer o seu jogo e aguardar que o Paraguai vença ou empata o seu jogo frente à Nova Zelândia. Uma derrota do Paraguai também é possível, mas neste caso, terá que vencer a Itália por valores que garantem uma diferença de golos marcados e sofridos superior à concorrência. De qualquer maneira, a Eslováquia pode  Será que Hamsik e companhia estarão ao nível do desafio? Se conseguirem estar no seu melhor, irão ser um osso duro de roer.
Do lado transalpino, ainda sem Pirlo, com De Rossi e Di Natale como figuras de proa, a Itália ainda não apresenta aquele futebol que a levou ao estatuto de campeão mundial. Cannavaro demonstra a sua má forma de jogo para jogo. Buffon está lesionado. No meio-campo, Marchisio corre, corre e corre, mas decisões acertadas é que está quieto. Iaquinta e Gilardino não têm tido acerto. Pergunto: para quando uma oportunidade para Fábio Quagliarella, sr. Lippi?
Prognóstico da "Jabu": seria importante que a Itália vencesse e passasse à próxima fase. Aliás, seria até surpreendente, dada a actual forma da "squadra azzura". Contudo, também seria engraçado ver o destino a pregar novamente uma partida à "cigarra" (considero a Itália a eterna cigarra do futebol, tal a forma tardia como ela descola nas competições). Ora, que seja um bom encontro, sem casos, com bons pormenores, emoção e também algumas contas de mercearia.
Últimos contra primeiros (Camarões - Holanda; 19:30; Estádio Green Point)

Camarões Camarões Holanda Holanda
Como o título diz, será um encontro entre os últimos e os primeiros do grupo. A Holanda já classificada, só se tem de esforçar (ou não) para escolher o adversário que deseja ter na próxima fase.
Mais uma vez, Camarões ao jantar (;D). Poderá ser um bom "feeling" para os africanos. Nada mal uma iguaria dessas ao jantar, não acham? Continuando... fiquei um pouco triste por Camarões ter acordado tão tarde para o mundial. Fizeram um belíssimo jogo frente à Dinamarca, um dos melhores até ao momento, em todo o mundial. Paul Le Guen fez marcha atrás, embora tardiamente, colocando os "leões indomáveis" a praticar um futebol mais condizente com o seu potencial. Sinceramente, gostava que os Camarões tivessem uma despedida em grande deste mundial, com Eto'o, Webo, Mbia e Emana em grande plano.
Há quem diga que "laranja de manhã é ouro, de tarde é prata e à noite mata". Talvez seja apenas um mito, mas que os Camarões devem-se precaver, pelo sim e pelo não, disso não tenho a menor dúvida. Agora dúvidas tenho relativamente ao onze que o seleccionador holandês vai usar. Será que irá fazer descansar Sneijder, van der Vaart, van Persie ou até mesmo o Dirk Kuyt? O esquema penso que será o mesmo e só em caso de emergência é que muito provavelmente iremos ver outras nuances tácticas por parte dos "orange".
Prognósticos da "Jabu": num jogo que poderemos ver muitas caras novas no onze holandês, Camarões vencerá, pois a Holanda com um parcial de golos marcados e sofridos de 3 entra na última ronda bem descansada quanto à questão da liderança do grupo. Por outro lado, para os africanos será o querer despedirem-se em grande, frente a uma poderosa selecção europeia e com vontade de dizer: os últimos são os primeiros!
Luta mano-a-mano entre "vikings" e "samurais" (Dinamarca - Japão; 19:30; Estádio Royal Bafokeng)

Dinamarca Dinamarca Japão Japão
De todos os jogos deste 14º dia, este é o único entre duas selecções em igualdade pontual e que dependem exclusivamente delas próprias para passar à próxima fase. Nota importante, em caso de empate neste encontro passa o Japão, pois a Dinamarca tem saldo negativo na questão do diferencial de golos marcados e sofridos. Sendo assim, espera-se que a Dinamarca assuma o encontro com um Japão em contra-ataque.
Os dinamarqueses descobriram a melhor forma de alimentar aquele monstrinho de mais de 2 metros de altura, chamado Brentner, que eles têm como ponta-de-lança. A partir deste momento, são claramente um adversário de enorme respeito. Continuo a pensar que os seus elementos chave neste mundial têm sido: Rohmmedahl, Brendtner, Kjaer (não vai jogar este encontro!) e Agger. Com a ausência de Kajer, antevejo algum desacerto defensivo, sobretudo nos lances de bola parada. Claramente um ponto onde os nipónicos podem e devem explorar. Tacticamente não estou a ver necessidade de grandes alterações. O 4-2-3-1 servirá na perfeição. Terão é que entrar com todo o gás, para tentar surpreender a formação asiática.
Os japoneses, com o seu tradicional 4-5-1, penso que poderão ser mais ambiciosos neste encontro. Em primeiro lugar gostaria que o Honda jogasse no apoio a um avançado e não como avançado sózinho lá no ataque. Não é que tenha vindo a comprometer, mas penso que poderá render mais se jogar de frente para a baliza. Em segundo, Nakamura, o "10" da companhia tem de ser titular. Com ele em campo o futebol nipónico fica logo mais fluido. Em terceiro, gostava de salientar a dupla de centrais japonesa, formada por Tulio TanakaYuji Nakazawa, que têm dado muito boa conta do recado.
Prognóstico da "Jabu": face à iniciativa de jogo recair sobre a Dinamarca, que está em desvantagem no confronto directo com o Japão, este terá a oportunidade de ouro de jogar da forma como melhor se expressa, ou seja, em contra-ataques rápidos, lançados por Nakamura e conduzidos por Honda. Com uma defesa central semi-nova, a Dinamarca se não for muito forte, poderá claudicar por aí. Será igualmente um excelente teste à dupla nipónica. O resultado esperado é um empate.

PP

PS: Como sabem Cardozo, poderoso ponta-de-lança paraguaio, joga em Portugal. Quais os outros jogadores que jogam ou que já jogaram e que vão estar presentes nos encontros de hoje?
publicado por jabulani às 09:46
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
fantasy league jabulani
fantasy league jabulani (clica na imagem)

Jabulani Fantasy League

Código - 361892-84570

arquivos
2010
subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
28/06/2018 - Olá boa tarde . Pois gostaria de lhe ...
o craque do jogo foi o cavani
Olá pessoal! Estou aqui para trazer a vocês a gran...
Olá pessoal! Estou aqui para trazer a vocês a gran...
Olá pessoal! Estou aqui para trazer a vocês a gran...
Agora que o Mundial de futebol terminou, importa r...
Não sendo propriamente um criativo de futebol, que...
Sr. Gonçalo Sousa, você não foi para aqui chamado....
Se vais pelo número de jogos não podes por o Coent...
Isto é incrível.Qualquer merda hoje em dia tem um ...
Posts mais comentados
blogs SAPO