Sábado, 03 DE Julho 2010
E o último dia dos quartos de final reserva-nos mais dois grandes duelos. A tarde começa com mais uma final antecipada: Argentina - Alemanha. Já à noite, um duelo em castelhano irá dar-nos o segundo último meio-finalista deste mundial. Quais serão os outros dois semi-finalistas?
A final antecipada! (Argentina - Alemanha; 15:00; Estádio Green Point)

Argentina Argentina Germany Germany
Estou a ficar preocupado com o seguinte: depois da eliminação da Inglaterra, depois da eliminação da França, depois da eliminação de Portugal, depois da eliminação do Brasil, começa a faltar candidatos daqueles dignos de entrar numa final e de jogar o jogo pelo jogo, olhos nos olhos. Por isso mesmo, quero desde já dar os parabéns a qualquer uma destas duas selecções que tanto têm dignificado e valorizado o futebol positivo.
A Argentina de Maradona, é uma equipa fenomenal. Tem soluções para todo o tipo de situações de jogo. Conta com o actual melhor jogador do mundo, Messi (mas, CR7, para mim continuas a ser o melhor!). Conta também com um seleccionador que de "parvo" não tem nada e é bem capaz de dar muitas lições de futebol a muitos entendidos de tácticas de papel passado. Para além disso, o homem é um espectáculo dentro do próprio espectáculo. Mas, será que tudo isto é o bastante para seguir em frente?
Vejamos: a alviceleste tem um problemazinho que poderá ser um problemazão, pois está em dúvida o seu central mais experiente, Samuel. Depois, há a questão sobre a forma como a Argentina irá jogar o encontro, ou seja, se irá aplicar o mesmo esquema que tem vindo a usar, ou se irá haver mudanças de forma a reforçar o meio-campo ou a defesa.
Se eu estivesse na pele do Maradona, arriscaria a melhor equipa, ou seja, aquela que melhores resultados deu durante o mundial, com Romero na baliza, um quarteto defensivo com Gutierrez, Demichelis, BurdissoHeinze; um meio campo em "diamante" com o capitão Mascherano, o interior direito Maxi Rodriguez, o rapidíssimo ala esquerdino Di Maria e o "diez" Messi. Lá na frente a dupla está feita entre Tèvez e Higuaín. Com uma equipa destas e com um banco onde só em opções de ataque tem-se Agüero, Milito e Palermo, quem é que estaria preocupado em termos ofensivos?
A Alemanha de Low, é uma equipa. Pode parecer pouco, mas quanto a mim significa tudo. Se formos a ver bem, haverão poucos jogadores que constituem o onze germânico e que a maioria escolheria como titulares para a sua equipa. Isto em comparação até com a constelação de estrelas da alviceleste. Nada de mais errado. Eu próprio tenho andado a pensar como é surpreendente o trabalho técnico na construção desta equipa alemã. Claramente é uma daquelas equipas em que para destacar um só jogador, penso que teria que destacar todos os outros. É de todas as selecções deste mundial aquela que menos dependência possui de um só atleta. Mas, se podessem escolher apenas um, qual seria? Pensei muito, reflecti um pouco mais e... cheguei à conclusão que seria o esquerdino "mágico" Özil em exécuo com Müller. Estes dois simbolizam bem a Alemanha dos tempos modernos, uma sociedade mais multicultural do que alguma vez foi. E esta mistura pelos vistos tem sido explosiva e muito bonita. Pelo menos em termos futebolísticos. Fica aqui a mensagem positiva de união de culturas em torno do desporto.
Mas, não é só de juventude que vive esta bela Alemanha. Estou convicto de que o experiente ponta-de-lança germânico persegue ainda o recorde de Ronaldo, o fenómeno brasileiro. Será que irá atingí-lo? Bem, se conseguir uma média de um golo por jogo até à final...
Em termos de onze base, penso que os germânicos não irão mudar nada só por causa de terem doutro lado a Argentina. Aliás, isto é característica comum da sua forma de pensar e é talvez dos pormenores mais importantes que as culturas latinas deveriam tentar implementar, até porque os alemães têm tido quase sempre sucesso. Sendo assim, conto com a guarda da baliza feita pelo jovem Neuer, o quarteto defensivo constituído por Lahm, Mertezacker, Friedrich e Badstuber. Talvez no posto da lateral esquerda possa surgir a grande surpresa, dado que nos últimos encontros vimos a utilização de Boateng (mais defensivo) e Jansen (mais ofensivo). No meio-campo, um dúo constituído por Khedira e Schweinsteiger. Lá na frente um tridente bastante móvel formado por Müller à direita, Özil ao centro e Podolski à esquerda, todos a alimentar o "bomber" Klose. Com Gomez, Cacau e Kiessling, no mínimo existe elementos de peso no banco, não acham?
Prognósticos da "Jabu": mais um jogo de tripla! Sinceramente, que ganhe o melhor. Que amanhã quem vencer seja realmente merecedor e que o faça com grande arte e engenho. Que ganhe o futebol acima de tudo!
Destaques do jogo: Messi contra... Alemanha? Özil contra Argentina? Será?
Encontro castelhano (Paraguai - Espanha; 19:30; Estádio Ellis Park)

Paraguay Paraguay Spain Spain
A equipa que melhor defende na américa latina, contra a equipa que melhor ataca na equropa, pelo menos actualmente, é este o prato que será servido no jantar deste sábado.
O Paraguai, tem sido uma desilusão em termos ofensivos neste campeonato do mundo, muito embora já esteja nos quartos de final. Não tem sabido aproveitar bem todo o seu potencial ofensivo. Como já tive oportunidade de escrever noutros dias, os guaranis são muito defensivos. Normalmente actuam num 4-4-2 ou num 4-3-3 híbrido. Jogam a um ritmo lento, pois isso beneficia a sua defesa. Contudo, em termos atacantes não beneficia em nada. Aliás, os seus golos ora têm acontecido de bola parada (cantos, livres e penalties), ora têm surgido de ressaltos os roubos de segundas bolas por parte da sua linha média.
No entanto, será desta que Santa Cruz irá aparecer em campo? Ou isso está apenas reservado para os "posts" da Cristina Bessa, ;P? E Cardozo, será que depois do golo que valeu a passagem aos "quartos" irá merecer a confiança do seleccionador para ser titular frente à Espanha?
A Espanha, ao contrário do Paraguai tem sido um regalo em termos ofensivos neste mundial, muito embora Torres tenha andado às turras com as balizas adversárias. Os espanhois são dos que melhor jogam em equipa nesta competição e parece que a cada jogo que passa, as suas debilidades são cada vez menores. No jogo frente aos "navegadores", a armada espanhola apresentou um futebol bem mais seguro e soube sempre responder com arte e engenho aos pormenores tácticos do adversário. Liderados por um Xavi a meio-campo, um Piquet na defesa, um Casillas a proteger as redes e um Villa mortífero, eis a Espanha, candidata à passagem às meias-finais.
A táctica, bem essa é motivo de debate, pois é das equipas mais híbridas que está neste mundial.
Prognóstico da "Jabu": embora seja um jogo de quartos de final e com toda a carga emocional que daí advém, penso que o Paraguai não tem o que é realmente necessário para surpreender esta Espanha que executa bem e rápido. Penso que será um encontro totalmente desnívelado, jogando-se praticamente no meio-campo do Paraguai. Pelo menos é isso que os guaranis têm oferecido a adversários de peso. Será que irão manter essa estratégia?
Destaques do jogo: Villa contra Villar? Barrios contra Piquet? Será?
PP
PS: Sabem qual o único clube representado em todos os jogos destes quartos de final do mundial?
publicado por N.T. às 03:45
editado por J.G. às 12:03

Nas vésperas de um Argentina-Alemanha, Maradona que está no centro das atenções, merece que seja recordado como um dos mais marcantes momentos em mundiais. Decorria no México o mundial de 86. Nunca um jogo tinha sido repetido tantas vezes como o Argentina-Inglaterra. Pelo meio havia um conflito diplomático entre a duas nações, as ilhas Malvinas no centro da discórdia. Um conflito que incendiava qualquer assunto onde Argentina e Inglaterra fossem intervenientes.

Maradona tinha obrigatoriamente que estar no centro da questão futebolística. Se a nível político as coisas estavam complicadas, agudizaram quando a "mão de deus" introduziu a bola na baliza de Peter Shilton. "El Pibe" celebrizou a frase quando negou que tivesse sido a sua mão a colocar a bola na baliza dos ingleses, Deus desceu à terra e eternizou o momento. O momento de D10S!

Bobby Charlton, seleccionador inglês, não queria acreditar e ripostou que "Não foi a mão de Deus, mas sim de um impostor".

Mas o suposto impostor, não contente com a façanha, resolve fintar a equipa inglesa toda e marcar o segundo golo. E há quem o considere como o melhor de sempre. Esse golo que foi imortalizado é indescritível quando visualizamos com os comentários de Victor Hugo Morales, é de ficar com pele de galinha. O barrilete cósmico eterno que faz parte da história dos mundiais!

 

publicado por Pedro Varela às 01:18

Os Kraftwerk são tidos como os percursores de música de dança urbana e constantemente citados como "influências" deste ou daquele. Quando no ano da Revolução dos Cravos propuseram ao mundo 'Autobahn', Florian Schneider e Ralf Hütter já haviam gravado sob os Organisation e colaborado com membros dos Neu!, Can, Harmonia e Cluster. Tudo gente alemã, pois claro. Escrevia 'Autobahn' mas acrescentaria 'Ralf and Florian', 'Radio-Activity', 'Trans-Europe Express' e 'Computer World'. Hoje joga a Alemanha e começa o Tour de France.

 

publicado por Spinafro às 01:02
Sexta-feira, 02 DE Julho 2010

Três semanas após o arranque do Mundial vivemos o dia mais intenso do Mundial com dois jogos daqueles que vão fazer parte dos momentos mais belos da edição 2010. À tarde uma reviravolta histórica da Holanda contra o eterno favorito Brasil que já foi muito bem contada ali mais para baixo.

De noite chegou o apaixonante embate entre os sobreviventes africanos contra os resistentes uruguaios. Foi um jogo memorável com um pouco de tudo, golos, imprevisibilidade, suspense, prolongamento, final dramático, e decisão nos penaltis. Pelo meio muito interessante as adaptações tácticas de ambas as equipas. O Uruguai partiu com o seu clássico 4-4-2 com os olhos postos em Forlan e Suarez na frente apoiados nas alas com Cavani à esquerda e a aposta surpreendente em Fernandez na direita.

O Gana com o 4-2-3-1 com Gyan na frente e com Asamoah a não conseguir pegar no jogo foi surpreendido pela maior veia atacante sul americana. Metade da 1ª etapa foi dominada pelo Uruguai que andou perto do golo tanto em jogadas de bola corrida como em lances de bola parada. Importa elogiar a exibição dos dois "portugueses" em campo, Fucile muito bem a defender e Maxi Pereira de pulmão cheio defendeu e atacou sempre cheio de garra. Os outros portugueses formaram a equipa de arbitragem liderada por Benquenrença e pode dizer-se que estiveram à altura do jogo.

E aos 30' de jogo o Gana acerta o seu jogo atacante em profundida com Prince Boateng mais perto de Gyan e Asamoah mais recuado ao lado daquele que é o melhor "6" deste mundial, Annan. Que enorme Mundial fez o jogador no meio campo do Gana! Houve hipóteses de golo para os africanos que dominaram até ao fim da 1ª parte e mesmo no último minuto Muntari arranca um inesperado pontapé do meio do campo que levou a famosa Jabulani a fazer uma caprichosa curva deixando Muslera mal na fotografia.

Na 2ª parte o jogo mudava de cara porque o Uruguai tinha de ser mais eficaz no seu ataque e como não conseguia de jogada corrida apareceu Forlan, uma das figuras maiores do Mundial, a marcar de livre directo repetindo-se a história do efeito Jabulani. O empate surgiu aos 55' e assim o jogo voltou a ficar equilibrado e totalmente com o resultado em aberto. Até ao fim dos 90' assistiu-se a uma perda de fôlego dos uruguaios contra uma invejável frescura física do Gana que acabou a dominar o jogo.

No prolongamento a tendência manteve-se com os africanos a parecerem sempre por cima do jogo embora o Uruguai nunca tenha desistido de atacar e tentar vencer o jogo.

E depois veio um daqueles finais que entram directamente para o top de melhores momentos de sempre que o futebol tem para nos oferecer. Presenciámos à construção de mais um capítulo épico de competição na maior prova do mundo. Ultimo minuto de jogo do prolongamento empate a 1, emoções ao alto última bola para área do Uruguai, defesa incompleta de Muslera remate à baliza para golo evitado pelas pernas de Suarez, recarga e agora bola alta direitinha para a o fundo da baliza, Fucile desesperado tenta lançar a mão mas não chega, logo atrás ainda estava Suarez na linha de golo que se transforma em guarda redes e faz uma bela defesa com as mãos a evitar o 2-1.

O avançado do Ajax vivia momentos dramáticos porque era expulso e oferecia de bandeja ao Gana a vitória. No entanto sabia que tinha feito a única coisa possível para adiar a derrota ali anunciada. Entre a tristeza uruguai havia uma réstia de esperança de ver Gyan falhar o penalti. Parecia impossível já que o Ganês até já levava dois golos marcados daquela maneira mas a verdade é que o "3" do Gana acusa a pressão e atira para a trave a possibilidade de África ter pela 1ª vez nas meias finais! E num segundo Suarez passava do estado desolado para a quase euforia que a esperança dos penaltis lhe dava.

E como se estava mesmo a ver a equipa do Gana caiu mesmo nem lhe valendo o facto de Gyan ter ido dar o exemplo ao abrir a cerimónia de desempate convertendo o seu penalti. Depois dele só mais um companheiro marcou golo. Os uruguaios moralizados com nova oportunidade de regressar a uma meia final 40 anos depois não vacilaram apesar do falhanço de Maxi Pereira que atirou por cima da baliza. O dramático desempate termina com um momento de ouro protagonizado pelo popular "El Loco" Abreu que , como é seu apanágio, marca à Panenka e fecha o desafio com esta imagem de marca.

Uruguai , última equipa a conseguir o apuramento, está nas meias finais para defrontar a Holanda. Gana fez história mas podia ter feito ainda mais como as lágrimas desesperadas de Gyan  após o jogo testemunham.

 

Melhor em Campo: 9 Luis SUAREZ

publicado por J.G. às 23:37

Reedição de um confronto (já) clássico, o encontro de duas das mais famosas escolas de futebol de ataque que já não o são. É curiosa a nostalgia pelo futebol da tal Laranja Mecânica, a mesma que nunca ganhou nada mas deu o futebol total, o Ajax da década de 70 e duas finais consecutivas em mundiais. O Brasil. Que há a dizer do Brasil a não ser que aquele Espanha'82 demonstrou que não há vencedores anunciados mesmo quando o futebol é de primeira água?

Hoje no Nelson Mandela Bay de Port Elizabeth houve qualquer coisa daquele Holanda vs Brasil de 1994, não no resultado ou nos esquemas tácticos. A semelhança aconteceu na preponderância de uma e outra equipa em cada uma das duas partes com a diferença de que não houve nenhum Branco para travar o ascendente holandês. Um jogaço, para gravar e recordar. Dois desenhos tácticos evoluídos, práticos mas complexos de contrariar. Com intérpretes da estirpe destas duas equipas, a obrigação é a de darem a ver um espectáculo grandioso. Não se acanharam, aos níveis físico, técnico, táctico e até mental foi um jogo para ir para a prateleira dos clássicos intemporais.

Entrou muito bem o Brasil do contestado (mas mal) Dunga. Começou tão bem que até num oásis onde antes existia areia e num extraordinário assomo de visão de jogo e qualidade técnica, Felipe Melo faz um passe que inutilizou sete jogadores da equipa holandesa e deu a Robinho para concluir. Foi à passagem do nono minuto. E se desde o apito inicial as coisas corriam de feição, nunca mais os canarinhos perderam controle em todos os momentos do jogo. Aos holandeses sentia-se que lhes faltava algo, uma peça que ocupasse a zona central do meio-campo, terra de Melo e não raramente de Dani Alves. Foi assim que Melo emergiu como mvp até ao intervalo, sem homem em cima só tinha de se preocupar com o jogo. Nesse territórios compôs-se o fado dos primeiros 45 minutos e deu-se folga a Sneijder, Robben e Kuyt. Se sem bola não se faz nada, então que se acertem as marcações na defesa. Nada mais surgiu como apontamento nesse aspecto.

Conhecendo esta Oranje o intervalo só poderia fazer maravilhas. Têm 'plano b' e o mesmo pode ser aplicado sem substituições, tem sido esse o trunfo de van Marwijk. Virou o jogo e apenas com a subida uns 2-3 metros de van Bommel. Parecia um grito irresponsável mas o Brasil como era deixava de existir. Melo, tenho de voltar a ele, começou a ter o trabalho que não gosta: ter gente por perto, ter de recuperar bola e dá-la jogável. Tinha de deixar de ser menino mas não conseguiu, passou a réu. Deve ser o período temporal perfeito para se iniciar uma recuperação no marcador entre dois grandes e o tal Felipe Melo deu uma ajuda num lance em que Júlio César também não sai inocente, a falta de comunicação deu golo aos 53 minutos. Estava lançado o mote para os de laranja. Não mais se submeteram, a partir daaqui a bola era deles, os laterais brasileiros que se cuidassem. Resignado porque perdia inevitavelmente profundidade, Dunga apressou-se a substituir o amarelado Michel Bastos, a cause de Robben, por Gilberto. E o Melo? Não, esse sairia pelos próprios meios após uma expulsão demonstrativa do pânico que o assolava, poucos minutos após a concretização da reviravolta holandesa. O golo de Sneijder e a desfaçatez de Melo terminaram com qualquer perspectiva razoável de re-equlibrio de forças.

O Brasil suou mas nada mais pode escrever nas páginas deste Mundial apesar de todas as boas facetas que mostrou ao longo da prova. Ganhou muito bem a Holanda, tem muito futebol, tem jogadores e tem a motivação (até para virar resultados) já o escrevia há dias. O Hup Holland Hup pode fazer-se ouvir.

Melhor em Campo: 6 Mark VAN BOMMEL

publicado por Spinafro às 18:32
Depois de dois dias de descanso, o mundial volta e em força: estão aí os quartos de final! Quais são então os dois embates do dia? Quais serão os vencedores do dia?

Contas antigas (Holanda - Brasil; 15:00; Estádio Port Elizabeth)
Holanda Holanda Brasil Brasil
Quem tem o futebol mais bonito? Na história do futebol mundial dos tempos modernos, leia-se a partir dos anos 70, surgiu em todo o mundo duas grandes escolas que apoiam o futebol bonito. Nenhuma conseguiu ser campeã do mundo, a Holanda em 78 e o Brasil em 82. Isso teve o seu impacto. Enquanto a Holanda continuou a lutar pelo futebol "totalista", o Brasil abandonou quase por completo o futebol "mágico".
É certo que a Holanda para ser considerada ao nível da "laranja mecânica" de Cruyf ainda lhe falta algum... sumo. No entanto, apesar de neste mundial apresentar-se num esquema mais pragmático, onde os laterais estão bem mais contidos, nas suas funções atacantes (vide o jogo frente à Eslováquia), o que é certo é que ainda não perderam e apenas concederam golos através da marca da grande penalidade. Nada mal, mesmo!
Continuo a pensar que embora não seja uma "laranja", mas sim uma "clementina", ainda há sumo bem docinho para ser exprimido. Talvez agora com o regresso do seu jogador-estrela, Robben, eles consigam descolar melhores exibições. Mas, os problemas por melhor mascarados que tentam ser, têm a tendência para vir ao de cima. Começou já com a insatisfação de van Persie, que embora seja titular da equipa, sente que poderia render muito mais noutra posição. Será que van der Vaart irá ser o próximo a demonstrar desconforto? Ou será que Hunterlaar irá ter aqui a sua grande oportunidade, e logo frente aos rivais dos "últimos" mundiais (1994 e 1998) brasileiros? Uma coisa é certa, o 4-3-3 (4-2-3-1) é para manter! Mas, e se estiverem a perder qual será o plano B?
O Brasil é talvez a selecção que mais mudou a nível de estilo e filosofia de jogo, nas últimas décadas. Se em 1982, o futebol "mágico" canarinho, não resultou numa conquista, tendo inclusivé marcado a alteração dessa filosofia, já em 1994, conseguiram atingir o tal aclamado objectivo, mas num estilo mais pragmático. O Brasil moderno, continua a ter grandes executantes, mas opta por uma postura demasiado defensiva para o colectivo que possui. É esta a grande crítica que todos fazem ao escrete.
Será que o 4-1-2-1-2, ou até mesmo o 4-2-3-1 canarinho poderia funcionar de forma mais elegante? Esta é a grande pergunta que se coloca aos penta-campeões mundiais. Em termos de rostos, do onze titular, Ramires será a grande baixa, pois tem sido um suplente de luxo no escrete. Impedido por acumulação de amarelos, coloca a dúvida sobre se será Elano (um grande artista), ou será o Josué (a pequena formiguinha), ou será o Felipe Melo (o agressivo) a fazer aquela posição do meio-campo. Quase certo nesta zona do terreno está Dani Alves que tem vindo em crescendo a nível exibicional. Já agora, o que fará Dunga se o Brasil encontrar-se em posição de desvantagem? É que do que se viu, tanto Nilmar como Grafite, parecem corpos estranhos nesta filosofia de jogo, não acham?
Prognósticos da "Jabu": este é claramente um jogo de tripla! Ganhará quem for mais forte a nível mental e nos duelos individuais. Destaques do jogo: Robben contra Michel Bastos e Kaká contra van Bommel/De Jong.
África reunida em torno de uma só equipa (Uruguai - Gana; 19:30; Estádio Soccer City)

Uruguai Uruguai Gana Gana
Grande encontro que se perspectiva. Frente a frente, duas selecções que visam fazer história. É certo que o Uruguai, mesmo sendo um país minúsculo é concerteza uma das potências futebolísticas mais antigas da história. No entanto, tem vivido um pouco do passado, regressando este mundial a um lugar entre os melhores. Por seu turno, os jovens ganeses, depois de conquistarem triunfos em escalões jovens, querem demonstrar que África evoluiu e muito a nível sénior.
O Uruguai é capaz de ser a equipa mais pragmática. Apoiada num sistema defensivo de tolerância quase zero, entrega o seu ataque a 3 elementos móveis, mais um médio que avança no terreno e normalmente mais um lateral. Estes dois últimos são os Pereira's (Álvaro e Maxi). Os dois médio centro, têm cariz mais defensivo. Enfim, é uma espécie de 4-1-2-1-2, ou 4-3-3, ou até 3-4-3, dependendo do posicionamento dos seus atletas.
O que é certo é que quando defendem, a pressão que os avançados fazem, leva o adversário ir de encontro com o desarme ora desta dupla de médios, ora uma tentativa de penetração que faz cehgar a bola aos centrais uruguaios. Estes são exímios no jogo de contacto com os avançados adversários, sobretudo se eles são mais posicionais e menos móveis. Forlan, Suarez e Cavani, têm vindo a crescer dentro do mundial. Se no primeiro e segundo encontro via alguma química com os dois primeiros, ao terceiro notei uma clara evolução do entrosamento e utilização do "7" celeste.
O Gana é a equipa mais surpreendente, pela positiva, neste mundial. Toda a gente reconhece que os médio ganeses, mais do que virtuosos, são eficazes nas tarefas defensivas. O que não conheciamos é que uma equipa africana poderia chegar ao mundial com uma cultura táctica muito acimentada por todos os intervenientes. Só por isto marca a grande evolução desta equipa africana, valorizando não só os seus atletas, mas também o trabalho do seu seleccionador.
O 4-2-3-1, já demonstrou que pode jogar numa toada de espectativa, como de pleno controlo do encontro. Neste campo, parece-me ser uma equipa mais activa na busca do golo que o Uruguai. No entanto, não vai poder contar com uma das suas revelações neste mundial: o Ayew.
Será concerteza uma dor de cabeça para o seleccionador. Será que haverá uma mudança táctica, povoando o meio-campo com a entrada de Muntari ou Appiah para o onze titular? Ou será que dará oportunidade a outro avançado?
De qualquer maneira, atenção celeste, pois Gyan será a seta virada à vossa baliza.
Prognósticos da "Jabu": estou mais inclinado para uma vitória do Uruguai, mais pelo historial que possui e pelo tacticismo/manha sul americana que decerto fará com que controlem o ritmo de jogo ao seu belo prazer. Mas, o Gana não me surpreenderá se conseguir passar à próxima fase. Destaques do jogo: Suarez contra Pantsil e Gyan contra Lugano.

PP

PS: Sabem quem são os jogadores com descendência de antigos futebolistas das suas selecções que irão jogar nos encontros de hoje?
publicado por jabulani às 09:37

publicado por J.G. às 09:30
tags:

Compositor, saxofonista, alto, baixo. Be bop, hard bop, modal, free. Ellington, Parker, Monk, Davis, Chambers, Kelly, Joe Jones, Cobb. Dolphy, Garrison, Jones, Tyner, Sanders,  Alice, Shepp, Coleman, Ayler, Ra. Ascension, Giant Steps, A Love Supreme, Blue Train, Lush Life. O nome grande dos EU da A. Se é só do jazz, se é nicho deixo-vos à consideração. Há atrás etiquetas, colaborações, influências, discos mas interessa o génio. John Coltrane, para descobrir e eternizar.

 

publicado por Spinafro às 01:32

A analogia de Ronaldo acabou por revelar-se infrutífera, já que o golo diante da Coreia do Norte não derramou sobre o relvado o ketchup que o português prometera. Isto apesar dos 21 remates que o colocam entre os mais rematadores. Aqui domina outro astro do futebol moderno, que vem realizando um Mundial de elevada categoria mas conserva um registo nulo no que toca a golos. Messi conta já com 23 remates, mas os 19 de Villa, os 13 de Higuain ou os 11 de Vittek revelam-se bem mais rentáveis. Eles são os melhores marcadores do torneio até ao momento.

 

TOTAL REMATES:

Lionel Messi  23

Asamoha Gyan   23

Cristiano Ronaldo   21

 

REMATES À BALIZA:

Lionel Messi   13

David Villa   12

Asamoha Gyan   10


GOLOS:

Robert Vittek   4

Gonzalo Higuain  4

David Villa   4

 

No que toca a assistências para golo, os destaques são o brasileiro Kaka e o alemão Muller, que, acrescentando 2 concretizações frente à Inglaterra, é o jogador do torneio com mais participações em golo. Ambos levam já 3 assistências. Já na condução dos ataques, Messi e Sérgio Ramos sobressaem com 20 iniciativas individuais, seguidos por Ronaldo e Podolski, com 19. Mas se Messi perdeu apenas 3 bolas em consequência das suas acções, o lateral revela-se menos eficaz: só foi bem sucedido em 6 ocasiões.

 

Do ponto de vista defensivo há que sublinhar o papel do argelino Madjid Bougherra, com 10 recuperações de bola em 3 jogos. O defesa, que contabilizou apenas 3 faltas no torneio, integra ainda um numeroso lote de jogadores com 8 tackles, ganhando a posse de bola em 5 dessas situações. Neste aspecto, a sua eficácia só é igualada pelo suíço Grichting e pelo espanhol Xabi Alonso. Entre os jogadores mais duros encontramos o japonês Honda, com 19 faltas cometidas. Ele que, curiosamente, é também o jogador mais castigado pelos adversários: 23 faltas sofridas.

 

Em termos técnicos, as individualidades espanholas voltam a sobressair, com os homens da intermediária a acumular passes a um ritmo alucinante. Mas em termos percentuais, considerando apenas jogadores com um mínimo de 90 minutos disputados, são os sul-americanos a revelar maior acerto. Nos cruzamentos voltamos a encontrar um preponderante Xavi (25), apenas superado por Diego Forlan (26) e Landon Donovan (29). Em posse de bola, o alemão Sami Khedira foi quem maior território percorreu: 21,1km.

 

PASSES COMPLETOS:

Xavi   296

Sergio Busquets   282

Xabi Alonso   271

 

ACERTO NO PASSE:

Caceres   92%

Rodriguez/Bolatti/Filipe Melo   91%

publicado por N.T. às 01:20
Quinta-feira, 01 DE Julho 2010

Depois do texto que fiz sobre a derrota de Portugal diante da Espanha, para fechar o ciclo de Portugal no Jabulani, até porque amanhã começam os quartos de final e há muito jogo bom para nos deliciarmos, cumpre-me alguns esclarecimentos relativamente a tudo o que foi dito nestes últimos dias, onde imagine-se o blog Jabulani foi visitado por quase 15.000 pessoas em pouco mais de 24 horas.

Em 22 de Junho de 2008, após a eliminação do Europeu diante da Alemanha por 2-3, Gilberto Madaíl anunciava que Scolari já estava com as malas preparadas ainda antes do Europeu, faltou coragem (nunca a teve) para o principal responsável federativo vir a público dizê-lo antes da competição se iniciar. Há muito que desejo a saída de Gilberto Madaíl da Federação, mas isto não será uma novidade para ninguém e quase todos o desejam. É um elemento fraco. A partir desse dia começou a procura do novo seleccionador, aquele que iria conduzir os destinos da selecção até pelo menos ao Mundial de 2010 na África do Sul.

No dia 11 de Julho é anunciado o novo Seleccionador Nacional, Carlos Queiró. Na altura não fiz nenhum tipo de comentário apenas reconheci o que todos sabiam, era o regresso a uma casa que bem conhecia. A Malta foi o primeiro adversário na qualificação para o mundial, a primeira vitória por 4-0, primeiro comentário onde me enganei claramente "Já estamos em primeiro lugar do grupo, e no mínimo não devemos sair de lá até ao final desta fase. Não me convenceram nesta selecção Antunes, Carlos Martins. Tenho dúvidas em Raul Meireles e Simão". Ainda a prova estava no seu início e já manifestava algum desagrado por Simão, não por detestar a pessoa em questão, porque para mim quem veste a camisola da selecção é de Portugal. Simplesmente porque sempre achei que o Simão na selecção não conseguia ser regular. Em Setembro acontece o primeiro desaire de Queirós, as primeiras críticas, a derrota diante da Dinamarca. Foi um jogo absurdo, e apesar do diferendo que havia entre o Professor e o Sporting, não deixei de o salientar "A face da derrota é Carlos Queirós. Teve mais que tempo para remediar o jogo quando ainda vencíamos por 1-0. Antes que se pense que estou a dizer isto por causa do diferendo com o Sporting, eu sempre gostei do trabalho do Professor. Não confundo as coisas.". Mais tarde novo desaire, 15 de Outubro de 2008, empate em casa com a Albânia e 3 jogos sem vitórias, "Já não me lembrava de ver Portugal jogar tão mal. Que exibição péssima. Carlos Queirós ainda vai ter muito trabalho pela frente. Muito mesmo, 3 jogos sem ganhar em 4 numa fase de qualificação para o Mundial. Começa a ser preciso um computador para começar a fazer as contas." Mais tarde, no célebre amigável contra o Brasil onde fomos copiosamente derrotados por 6-2, uma alusão a "Scolari acabou de ser dispensado do Chelsea. Se queremos ir ao Mundial de 2010, não era má ideia... ".

Eu sou um apoiante da Selecção e não me passava pela cabeça que não pudéssemos estar presentes no Mundial, critique variadíssimas vezes Queirós e não apenas no jogo dos oitavos de final contra a Espanha como chegou a ser sugerido. A seguir veio o processo Liedson. Aqui devo lembrar que deixei-me levar pela clubite. Já o tinha referido, aliei a necessidade da selecção de ter um ponta de lança com valor ao facto de gostar e muito do "levezinho". Hoje, devo admitir que seja por erro táctico ou simplesmente pela má forma do jogador, Liedson pouco acrescentou à Selecção. A primeira convocatória de Liedson na Selecção foi anunciada a 26 de Agosto de 2009, a menos de 1 ano do mundial. Liedson para mim nessa altura foi um passo importante para a Selecção e lembro um texto que concordei do Daniel Oliveira. Liedson marcou no primeiro jogo, diante da Dinamarca, uma partida importante para manter as aspirações de nos qualificarmos para o Mundial. Nessa altura, acreditava que a Selecção poderia crescer de forma, os golos iriam surgir com naturalidade, já imaginava Liedson titular indiscutível. Raramente me referia ao trabalho de Queirós, mesmo continuando ser sofrível ver os jogos de Portugal. Foi também por esta altura que me deixei levar por discussões entre Sporting e Benfica, por causa de Liedson, Queirós, as relações FPF e os homens do Sporting, a descredibilização do trabalho estrutural que seria necessário fazer na selecção, não pensar no longo prazo nas consequências de um mundial falhado, como acabou por se verificar, e naturalmente levei com as críticas que apesar de tudo, mereci.

Portugal consegue a qualificação para o play off após vitória por 4-0 diante da Malta e derrota a Bósnia para rumar a África. O apuramento estava conseguido, uma boa notícia, uma alegria porque adoro a Selecção, mas os problemas continuaram. No dia em que o feito foi conseguido, obviamente não critiquei Queirós nem ninguém, o objectivo apesar da dificuldade tinha sido atingido, "Apuramento conseguido, lugar guardado na África do Sul e agora no próximo verão atenções mais que redobradas para a competição que marcará o futebol em 2010".

Quando Queirós revelou a lista de convocados para o mundial, as únicas críticas que fiz foram apenas estas:

"As surpresas foram: Moutinho de fora; excesso de jogadores defensivos, Ricardo Costa e Zé Castro; o anão Beto, sem nada que o justificasse; Miguel;".

Já em terras Africanas, com o Mundial prestes a começar e já neste blogue na antevisão do grupo de Portugal, disse "Contamos que a presença seja aceitável, na minha opinião chegar aos quartos de final (a partir daí tudo será positivo) é o objectivo mínimo." Daí que tenha referido no texto do jogo Portugal-Espanha que Carlos Queirós não tinha atingido os objectivos mínimos que eu acharia aceitável. Obviamente que podem não ser os mesmos que a entidade patronal de CQ, mas no lugar dele teria colocado o lugar à disposição e depois a FPF que decidisse o que fazer. Ainda ontem ouvi o Luís Freitas Lobo dizer que não fazia sentido Queirós demitir-se e que é o homem certo no lugar certo, é uma opinião.

Fizemos uma fase de grupos sofrível, escondida pela vitória diante da Coreia do Norte, mas lembre-mo-nos que não marcamos golos nem à Costa do Marfim, Brasil e Espanha, logo seria complicado fazer muito mais. As críticas que fiz após o jogo, a quente, são de alguém que acreditava que naquele dia apesar de tudo poderíamos vencer a Espanha. Não o conseguimos, frustrado por tal evidência e certamente de forma inconsciente porque percebi que rapidamente "as críticas" iam chover, descarreguei de forma pouco natural. Aceito e faço mea culpa em relação a esse texto, mas devo dizer que afinal não são tantas as incoerências porque eu nunca fui um grande apoiante de Queirós. Eu aceitei-o sempre como treinador da Selecção e como apoiante de Portugal fui "cego" ao ponto de acreditar que um milagre poderia acontecer.

Fechou um ciclo. Há que preparar uma nova vida rumo ao Europeu de 2012. Como vai ser? Aguardemos que ainda há muita poeira no ar!

publicado por Pedro Varela às 21:26
tags:
Julho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
fantasy league jabulani
fantasy league jabulani (clica na imagem)

Jabulani Fantasy League

Código - 361892-84570

arquivos
2010
subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
28/06/2018 - Olá boa tarde . Pois gostaria de lhe ...
o craque do jogo foi o cavani
Olá pessoal! Estou aqui para trazer a vocês a gran...
Olá pessoal! Estou aqui para trazer a vocês a gran...
Olá pessoal! Estou aqui para trazer a vocês a gran...
Agora que o Mundial de futebol terminou, importa r...
Não sendo propriamente um criativo de futebol, que...
Sr. Gonçalo Sousa, você não foi para aqui chamado....
Se vais pelo número de jogos não podes por o Coent...
Isto é incrível.Qualquer merda hoje em dia tem um ...
Posts mais comentados
blogs SAPO