Qualquer que seja o onze a entraresta tarde, mesmo que fosse feito por mim, não seria a minha SELECÇÃO. Porquê?

Porque considero que hoje a denominação SELECÇÃO NACIONAL foi substituida por CLUBE NACIONAL.
O mais engraçado (que não tem piada nenhuma!) é que foi-se herdar todos os pontos negativos dos clubes e não os positivos. Como negativos temos o facto de quando não se tem, ao invés de criar-se, adaptar-se, compra-se ou adquire-se. Mais, quem controla são forças exteriores mais do que as interiores. Pelo menos é como eu vejo as questões de naturalizações e de certos jogadores que nem sequer apresentaram grande rendimento durante toda a temporada. Os pontos positivos que poderiamos aproveitar, tais como trabalho de treino para melhorar entrosamentos e formas de jogar, esse foi totalmente esquecido. Aliás, pelo que tenho visto no campeonato do mundo, não é característica só Portuguesa. Vejam a Grécia, os Camarões, a Itália e a Dinamarca, por exemplo...

Apesar destes problemas, consigo entender a forma como Carlos Queiroz construiu o grupo para ir à África do Sul. Consigo compreender porque já entendi a mentalidade dos treinadores Portugueses da sua geração. Ninguém quer dar o braço a torcer, mas para mim os três grandes problemas em termos de jogadores, são os seleccionadores que criaram:
1º - Defesa esquerdo: é um problema comum em todas as selecções nacionais que temos visto neste mundial. Por exemplo, os Italianos não têm problemas nenhuns em colocar um puto que joga numa equipa do meio da tabela do calcio. Pode não ser perfeito, mas sempre é melhor que adaptações.
2º - Médio defensivo: então o Miguel Veloso não jogou nessa posição nas últimas temporadas pelo Sporting e sempre com enorme classe? Já agora, quem disse ao pessoal que é necessário jogar com um médio defensivo para se conquistar tudo? Ainda à pouco tempo o Atlético de Madrid ganhou a Liga Europa jogando com dois médios centro.
3º - Avançado centro ou ponta-de-lança: um dos maiores mitos futebolísticos que já ouvi. Então o Ronaldo não foi bola de prata à umas épocas atrás? Então o Makukula, mesmo "coxo", "desengonçado" e "tosco" não foi o melhor marcador da liga turca? Aquela para a qual o Quaresma preferiu ir? O que falta é mais do que entrosamento no ataque nacional. Falta definir movimentações tipo sobre as quais os jogadores devem efectuar de forma a aproveitar as suas melhores características. Em duas palavras: falta treino!

Qual o meu onze hoje?
Bem seria ligeiramente diferente da do Queiroz e iria colocar muita gente em alvoroço, mas atendendo que o treinaria da melhor forma, penso que facilmente poderia dar-lhe vida em forma de futebol bonito:

...................................... Eduardo .......................................

Miguel ......... Carvalho .............................. Alves ......... Coentrão

...................... Veloso .......................... Meireles ....................

...... Ronaldo ...................... Simão ......................... Danny .......
...................................... Almeida ........................................

Com este onze, mantenho o equilíbrio defensivo e sobretudo melhoro o ataque nacional. Sabendo que a Costa do Marfim joga em 4-3-3 com médio defensivo, tal posicionamento nacional, permite uma pressão mais eficaz nas zonas de construção do adversário o que lhes causa bastante problemas. Outro ponto é que com 3 jogadores móveis entre o meio-campo e ataque, permite melhor alimentação ao nosso avançado centro, mas também maior hipóteses de termos livres à entrada da área adversária. Com Simão, com Veloso, com Ronaldo e até com Almeida, as hipóteses em bolas paradas aumentam enormemente.

Estou à disposição de responder a todos os problemas que podem tentar criar com este meu onze.

;D
PP a 15 de Junho de 2010 às 10:02
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres